Autoconhecimento: significado e dicas de como desenvolver

Autoconhecimento: significado e dicas de como desenvolver

Dentre todos os conhecimentos que podemos angariar ao longo da vida, sem dúvida alguma, o autoconhecimento ocupa um lugar de destaque.

Um primeiro passo para uma existência plena passa, portanto, inevitavelmente, por desenvolvimento de uma autoconsciência profunda sobre nossa própria existência neste planeta.

Não à toa, a ideia autoconhecimento foi, durante muito tempo, repassada de geração em geração. Daí nasceu o famoso “conhece a ti mesmo” de Sócrates, que demonstra como a busca pelo autoconhecimento por nós, seres humanos, não é uma coisa recente, mas uma etapa de evolução natural da vida.

Todavia, nós somos seres complexos, e, para completar, não viemos com um manual de instruções.

Por isso, conhecer a nós mesmos não é tarefa fácil, tampouco é algo que se faz da noite para o dia: exige esforço constante e dedicação constante para um melhoramento contínuo.

Significado de autoconhecimento

Uma pergunta aparentemente simples, mas que não tem uma resposta nada simples.

Autoconhecimento pode significar coisas diferentes em contextos diferentes, por isso é difícil conseguir um significado que abranja a todos eles.

Porém, podemos definir o autoconhecimento como “a capacidade para conhecer a si mesmo, sabendo interpretar os sinais vindos de seus corpo e sua mente”.

Portanto, autoconhecimento se refere às várias habilidades que desenvolvemos para nos autoconhecer, em relação a nosso corpo, nossas ambições, nossas paixões, desejos e, sobretudo, sobre quem somos e o que queremos para nossa vida.

Por isso a importância do autoconhecimento: trata-se de uma chave com o potencial de destravar toda nossa potencialidade e produtividade.

Aliás, o autoconhecimento é elemento constante nas pessoas que atingem a chamada superconsciência. Se você quiser saber mais sobre o assunto, aqui no Blog já tem um artigo completo sobre o tema: O que é SUPERCONSCIÊNCIA segundo Colin Wilson.

Mas como podemos nos conhecer de fato? Como podemos seguir à risca o conselho dado por Sócrates?

Para responder essas perguntas, hoje eu vou compartilhar com vocês (04) quatro formas simples que me ajudaram a descobrir mais sobre a mim mesmo 🙂

Não tenha medo de ficar sozinho

Homem sozinho descobrindo o significado e como desenvolver autoconhecimento.

Tomar um tempo para si parece ter virado um tabu, coisa de “gente estranha” no século da hiperssocialização.

Estamos cada vez mais com medo de nós mesmos. Solidão é uma palavra que, só de ouvir, causa pânico.

Por isso, ficar sozinho, para a maioria das pessoas, significa automaticamente que você está deprimido ou em estado de tristeza.

Mas, NÃO, ficar sozinho por um tempo, em busca de autoconhecimento, não é algo ruim, tampouco poderá te fazer mal.

É fato natural da existência recuar e buscar abrigo na solitude para nos organizamos internamente de quando em quando.

Aliás, ficar sozinho é uma forma poderosa de estimular sua criatividade (aqui no blog já tem um artigo inteirinho sobre isso, confere lá 😉

Porém, esse parece ser exatamente o oposto do que nos ensinam a fazer: tudo precisa ser alarmado.

Mesmo depois de um baque, no dia seguinte, você precisa estar com um sorriso estampado no rosto ou então há algo errado com você.

Nós simplesmente não ficarmos mais sozinhos.

Com o movimento constante da vida moderna, com o fluxo de informações 24h por dia, com as centenas de stories vistos diariamente: não temos mais espaço para gozarmos da nossa própria companhia sequer por alguns minutos.

Pode parecer chover no molhado, mas só podemos nos conhecer quando estamos na nossa própria presença, NENHUMA outra pessoa no mundo por ir no seu íntimo além de você mesmo.

E, embora de início ficar sozinho possa ser amedrontador, essa é uma maneira fantástica de conhecer a si próprio.

Se você nunca fez, experimente sair sozinho alguma vez sozinho (MESMO!).

Tente ir ao cinema, a um restaurante, tente conhecer partes de sua personalidade que ficam sempre encobertas pelo excesso de distrações.

Talvez, experimentando algumas atividades solitárias, você até descubra novos hobbys, por exemplo.

Veja tais experiências como oportunidades de conhecer partes de você que ainda lhes são desconhecidas.

Aliás, é absolutamente comum pessoas que passaram a morar sozinhas dizerem coisas como “eu me conheci demais depois que passei a morar sozinho”, eu já ouvi isso muito. E elas têm razão.

Não é o fato de se sentirem independentes em que si que desperta neles esse autoconhecimento, mas sim as horas a mais que eles passam com elas mesmas, se conhecendo cada vez mais.

Portanto, se você quiser se conhecer melhor, um primeiro passo interessante pode ser o mergulhar na solidão consciente, meditativa e focada em descobrir mais sobre quem você é e o que você quer da vida. 

Experimente e veja o resultado por si mesmo 🙂

Para desenvolver autoconhecimento, escreva seus pensamentos

Pessoa escrevendo e aprendendo como desenvolver o autoconhecimento.

Certa vez eu li que “um livro é a forma íntima de se conectar com o íntimo de um ser humano”.

E eu concordo absolutamente com isso.

Escrever é uma atividade solitária e que só se aperfeiçoa quando estamos centrados em nós mesmos.

Por isso, escrever é uma das formas mais poderosas que eu conheço de como você pode se autoconhecer.

Não, você não precisa ser escritor ou mesmo ter “talento” para isso.

O tipo de escrita que estou falando aqui não é necessariamente a escrita criativa, mas um tipo de escrita exploradora, que põe seus pensamentos em perspectiva.

Tampouco precisa ter alguma forma específica, um número necessário de palavras ou regras específicas: você só precisa escrever, colocar para fora tudo que está aí dentro – e sempre há muito mais do que a gente pensa.

Uma coisa que eu sempre fiz, quando estava com a cabeça atolada de pensamentos ideias de todos os tipos, problemas pessoais, profissionais, de relacionamento, era pegar uma folha de papel em branco e começar a organizar as coisas: sim, eu fazia uma verdadeira esquematização de tudo.

Na verdade, na época eu nem mesmo tinha me atentado a isso, mas, toda vez que eu escrevia alguma coisa, mais eu estava me conhecendo.

Colocar em perspectiva me fazia entender melhor por que eu evitava determinadas pessoas ou situações: eu me tornava mais consciente dos meus problemas sem sequer perceber.

Eu acredito que, existe uma intimidade única entre você e uma folha em branco, como se só ela soubesse o que há em você e, somente através dela, você pode colocar tudo para fora.

Há uma verdadeira mágica nessa relação, e você pode e deve usar disso sempre que sentir que precisa ir um pouco mais fundo em você mesmo.

A palavra escrita tem uma característica fantástica, que é o registro do que se escreveu.

Mas do que apenas tornar tangível, visto e palpável o que se sente, ao escrever, você estará, também, escrevendo aquilo em sua mente, e exatamente aí que nasce uma nova versão de você: mais consciente, mais sabedor de si mesmo e mais preparado.

Portanto, se você quer adentrar em uma nova etapa de autoconhecimento, considere seriamente a possibilidade de começar a escrever um diário – que, apesar do nome, não precisa necessariamente ser escrito todos os dias, mas só nos momentos em que você realmente precisar enxergar as coisas por um outro ângulo – ou só manter um caderno sempre por perto para escrever tudo que está sentindo.

Acredite, fazendo isso, não vai demorar muito para que você comece a perceber sua autoconsciência se desenvolvendo gradualmente, de pouquinho em pouquinho, na medida em que você aprende a se conhecer por meio das palavras.

Pratique algum esporte

Em 2014, eu passava por um dos piores momentos da minha vida: eu estava completamente perdido em relação ao que eu queria da vida e sobre meu futuro.

Pensamentos inundavam minha mente quase que 24h por dia, eu definitivamente era alguém que estava no plano de base sobre quem eu era.

Conversar com amigos e familiares, refletir bastante, tudo aquilo ajuda momentaneamente, porém não era nada eficaz em me dar uma direção sólida a seguir em relação aos meus objetivos (que sequer estavam definidos).

Até que, inspirado pelo irmão – admito, sem vontade nenhum – comecei a treinar musculação na academia.

Sim, o início foi horrível, eu ia sem vontade nenhum e contava cada segundo para que aquela experiência dolorosa acabasse de uma vez.

Porém, embora num primeiro momento não houvesse nenhuma disposição de minha parte aplicada à prática daquele esporte, aos poucos eu comecei a sentir a mudança: não apenas física, mas também emocional.

Saber quais seus limites, quais treinos você se adapta melhor, quanto peso você é capaz de levantar, quando é a hora de aumentar os pesos: tudo isso é autoconhecimento que você angaria todos os dias um pouco mais com a prática do esporte.

Contudo os benefícios não param por aí, eles definitivamente extrapolam a mera parte física.

Para conseguir resultados, não basta treinar um dia na semana: é preciso dedicação e disciplina constante em relação a vários aspectos da sua vida emocional.

Você tem de trabalhar a consistência, a concentração e, em meio a esse processo, você vai estar, também, construindo uma autoconsciência profunda sobre si mesmo.

Aliás, é bom deixar claro que não se trata apenas de musculação, qualquer tipo de esporte exige e fornece as condições necessárias para que você se autoconheça.

Até mesmo em esportes coletivos é possível desenvolver essa autoconsciência.

Esportistas famosos com Cristiano Ronaldo, Tom Brady e outros sempre relatam experiências de autoconhecimento profundo através do esporte em suas biografias.

Por isso, se você se encontra perdido, sem saber o que quer da sua vida ou mesmo quem você é de fato, talvez iniciar a prática de um esporte seja uma forma interessante de se descobrir, além de estar fazendo um bem enorme à sua saúde física e mental.

Leia sempre que puder e aperfeiçoe seu autoconhecimento

Pessoas lendo livros e felizes por estarem desenvolvendo autoconhecimento depois de descobrir seu significado.

Ainda me lembro do dia em que li, pela primeira vez, meu livro favorito no mundo: Servidão Humana de W. Somerset Maugham (aliás, se você nunca o leu, recomendo que leia imediatamente).

É absolutamente incrível a sensação de ver, através das palavras de um desconhecido, as coisas que você sentiu, muitas vezes a vida toda, e nunca conseguiu colocar para fora.

É uma mistura de fervor com felicidade e aquela sensação de “É exatamente isso!”.

Embora normalmente nos consideremos absolutamente diferentes um dos outros, a verdade que, pelo menos em relação às emoções, todos nós somos muito parecidos.

A mesma dor que você já sentiu pelo fim de um relacionamento, muitos outros já sentiram, com pequenas variações e intensidades diferentes, mas exatamente o mesmo sentimento.

Por isso, ler é uma forma incrível se autodescobrir através das palavras de outra pessoa.

Isso acontece porquê, muitas vezes, nos encontramos intimidados a expor com clareza e coragem o que sentimentos, de modo que, embora reconheçamos que existam coisas em nós que precisam ser descobertas, só conseguimos enxergar isso com clareza quando o lemos através do que foi dito por um escritor.

Além disso, em geral, livros são uma coletânea de inúmeras experiências vividas pelo autor, seus medos, suas conclusões, as lições que tirou dos seus fracassos…

E tudo isso está ali, condensado em algumas folhas, esperando que você possa se descobrir também.

Aliás, é absolutamente irrelevante qual o gênero do livro a ser lido, todo e qualquer tipo de leitura tem o potencial para destrancar em você as portas do autoconhecimento em níveis mais elevados que você tanto busca.

Seja um clássico imortal da literatura ou um livro de desenvolvimento pessoal, o importante é ler, é entrar em contato com o íntimo do autor e, por meio dessa troca, se autoconhecer de uma forma mais plena e consciente.

Por isso, leia SEMPRE que você puder (sempre MESMO).

Conclusão

Autoconhecimento não é algo que se consegue do dia para a noite, porém é absolutamente possível de se conseguir.

Não se trata de uma corrida de cem metros, mas de uma maratona: então aproveite a jornada.

Se você realmente pretende se aprofundar na jornada do autoconhecimento, saiba desde já o que lhe espera e por isso aprenda a cultivar a consistência e perseverança para ver o máximo de resultados.

Saiba sempre que, no final, a recompensa pelos seus esforços em trabalhar em si mesmo agora virá num futuro próximo e você verá como tudo valeu a pena.

E com as dicas de hoje, espero que você esteja mais preparado para encarar o desafio que é se conhecer por completo e com isso liberar o máximo de sua potencialidade.

Gostou do post de hoje?

Então compartilhe o post com seus amigos e siga a gente nas redes sociais para ficar sabendo sempre que tiver postagem nova por aqui 😉

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
J.R. Dittman

4 thoughts on “Autoconhecimento: significado e dicas de como desenvolver

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.